Arquivo da categoria: Mercado Agrícola

Financiamento do BNDES para recuperação vegetal

25/08/2017    JY  Geotecnologias

Resultado de imagem para vegetales en el campo

Olá pessoal,

Produtores rurais de todos os portes e de todas as regiões do Brasil podem utilizar, a partir de hoje (21), o Canal do Desenvolvedor MPME, plataforma online que simplifica e agiliza o acesso aos recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para atendimento às exigências do Código Florestal.

O gerente do Departamento de Meio Ambiente do BNDES, Márcio Macedo da Costa, acredita que, como as determinações do Código Florestal devem ser seguidas por todo o Brasil, todo produtor rural, em algum momento, vai se ver diante da questão de recuperar a área e de saber se tem meios para financiar essas mudanças.

“Nosso grande objetivo é pegar essa ferramenta online que já existe e dar uma dedicação para as linhas de crédito para recuperação vegetal, desde o pequeno proprietário até o grande”.

A restauração prevista no Código Florestal será obrigatória para todo imóvel rural a partir de janeiro de 2018, após o encerramento das inscrições das propriedades no Cadastro Ambiental Rural (CAR). O prazo expira no dia 31 de dezembro.

Linhas

Para projetos negociados diretamente com o BNDES, existe a linha Finem – Recuperação e Conservação de Ecossistemas e Biodiversidade (BNDES Ambiente), voltada a investimentos em projetos de restauração a partir de R$ 10 milhões.

Outras três linhas englobam projetos de financiamento negociados com agentes financeiros do BNDES, nas chamadas operações indiretas.

Uma dessas linhas é o Programa Agricultura de Baixo Carbono Ambiental (Programa ABC), destinada a produtores rurais e cooperativas de produtores que precisam de investimentos de até R$ 2,2 milhões, com prazo de pagamento de 12 anos.

Outra linha de crédito disponível é o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), na qual proprietários rurais, posseiros e arrendatários podem solicitar empréstimos de até R$ 430 mil por ano agrícola para quitação em até oito anos.

Já o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar para Restauração Ecológica (Pronaf Eco) oferece crédito de até R$ 165 mil por ano agrícola a agricultores e produtores rurais familiares pessoas físicas. O prazo de pagamento é de até 10 anos.

Os agricultores podem financiar projetos de recuperação e restauração vegetal, incluindo várias técnicas, entre as quais a cobertura da área degradada com mudas ou a condução da regeneração natural. O BNDES financia também mão de obra, viveiros de mudas, implantação de cercas, compra de máquinas e equipamentos.

 

Fonte: terra

Anúncios

Colheitadera Case IH 4130 Axial Flow

12/05/2016   JY  Geoecnologias

Case IH Axial Flow 4130 - Foto Divulgação

Olá todos,

Tratando-se motor, essa poderosa colheitadeira CASE IH faz o maior lançamento da marca nos últimos anos no Brasil. As máquinas são: 4130 (classe 5), 5130 (classe 6), 6130 (classe 6) e 7130 (classe 7). Falando especificamente de um modelo, o 4130, chega para oferecer o melhor sistema de colheita do mercado, segundo a fabricante. As melhorias realizadas nela garantem muito mais produtividade e baixo custo para quem necessitar dos seus trabalhos.

Com motores eletrônicos FPT NF6 Industrial ela vai apresentar até o dobro de reserva de potência na sua colheita, além das novas caixas axiais que são 10% mais produtivas e chegam a economizar 11% de combustível. Sua potência nominal de 253 cv e potência máxima de 299 cv mostra toda sua eficiência junto com seus 6 cilindros além da sua capacidade volumétrica de 6,7 L.

Desempenho

A plataforma de corte 3020 Terraflex, mostra toda sua flexibilidade junto com o sistema avançado Field Tracker, onde o desempenho vai ser acompanhado de perto nas variações do terreno onde a 4130 será usada. A largura de corte da 3020 vai de 6,1 m a 7,6 m em conhecidos 20 e 25 pés respectivamente. Uma turbina com controle mecânico de pressão wastegate que no caso é uma válvula de alívio que reage a pressão do turbo, permite que apenas algumas partes dos gases passe pela turbina, controlando assim a pressão do tubo.

A transmissão utilizada na colheitadeira 4130 é através de um acionamento hidrostático com 3 velocidades (LO) e freios a disco hidráulicos. Os eixos reforçados contribuem na largura máxima da máquina em 3,2 m.

Capacidade e Dimensões

Por contar com um grande tanque graneleiro de 7.050 L, sua velocidade de descarga é bem impressionante mesmo com tanto peso (70,5 L/seg), além do comprimento do tubo de descarga em 5,5 m e sua área de peneiras de 3,8 m².

Com uma largura externa dos pneus em single de 4,3 m e em duplado de 4,5 m, já podemos olhar essa colheitadeira e chama-lá de assustadora. O seu rodado duplo de modelo TW 18.4-38R1 e seu pneu traseiro de modelo SW 14.9 x 24 R1 8PR, já demonstra que a 4130 pode passar por diversos tipos de solo com bastante facilidade e eficiência.

Sistema AFS

A nova tecnologia em sistemas, que é o Advanced Farming System – AFS, oferecido como opcional, possibilita orientação com alta precisão. Essas informações são essenciais para o diagnóstico e a gestão da sua lavoura, em todas as etapas, do plantio à colheita.

Software AFS Desktop: permite que você veja, edite, gerencie, analise e utilize seus dados de agricultura.

Piloto Automático AFS Guide: Esse sistema de piloto automático, permite que o operador deixe de conduzir a máquina durante a operação de colheita e retomando o controle somente para fazer a curva de retorno.

Manutenção

A manutenção também é levada em conta quando os agricultores procuram os produtos. Por isso, a Case IH colocou no seu novo tanque graneleiro, que tem capacidade para armazenar até 10.600 litros, uma cobertura redesenhada com uma extensão em lona na parte interna, evitando a entrada de chuva e reduzindo as perdas.O aumento da vazão do tubo de descarga está até 46% maior se comparar o 4130 com outras máquinas colheitadeiras. No total, 15 itens tiveram a frequência de manutenção estendida, 11 deles com impacto direto nos custos, como óleo do motor, o que reduzem 27% o tempo de manutenção.

Fonte: agrobusinnes

Agricultura orgânica no Brasil deve movimentar R$ 2,5 bi em 2016

20/10/2015    JY  Geotecnologias

O Ministério da Agricultura divulgou números sobre o mercado de orgânicos no País. Em 2014, a agricultura orgânica movimentou cerca de R$ 2 bilhões e a expectativa é que, em 2016, esse número alcance R$ 2,5 bilhões, segundo o setor.

Os produtos de orgânicos agregam, em média, 30% a mais no preço quando comparado aos produtos convencionais, de acordo com analistas do setor. Segundo Jorge Ricardo de Almeida Gonçalves, da Coordenação de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a formação de preços depende especialmente do gerenciamento da unidade de produção, do canal de comercialização e da oferta e demanda dos produtos.

“Normalmente, os valores dos orgânicos são mais elevados que os dos produtos convencionais por terem uma menor escala de produção, custos de conversão para adequação aos regulamentos e processos de reconhecimento de sua qualidade orgânica”, assinala Jorge Ricardo.

Na sua avaliação, o produtor de orgânicos ainda carece de crédito diferenciado e de tecnologias e assistência técnica, além de infraestrutura e logística adequadas às características da produção e do mercado de orgânicos.

Atualmente, há 11.084 produtores no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, gerenciado pelo Mapa. O banco de dados é liderado pelos estados do Rio Grande do Sul (1.554), São Paulo (1.438), Paraná (1.414) e Santa Catarina (999). Veja tabela abaixo.

A área de produção orgânica no Brasil abrange 950 mil hectares. Nela, são produzidas hortaliças, cana-de-açúcar, arroz, café, castanha do brasil, cacau, açaí, guaraná, palmito, mel, sucos, ovos e laticínios.

O Brasil exporta para mais de 76 países. Os principais produtos exportados são açúcar, mel, oleaginosas, frutas e castanhas.

Normas

A legislação brasileira estabelece três instrumentos para garantir a qualidade dos alimentos: a certificação por auditoria, os sistemas participativos de garantia e o controle social para a venda direta sem certificação.

Os agricultores que buscarem a certificação por auditoria ou participativa poderão utilizar o selo oficial nos seus produtos. O selo é fornecido por organismos de avaliação de conformidade credenciados pelo Ministério da Agricultura. Eles são os responsáveis pelo acompanhamento e fiscalização dos produtos.

Os grupos de agricultores familiares que quiserem atuar na venda direta recebem uma declaração de cadastro emitida pelo Mapa.

O governo federal tem estimulado, em parceria com entidades públicas e privadas, a difusão da agricultura orgânica com cursos de capacitação, promoção de feiras orgânicas para o escoamento dos produtos e certificação da produção. A certificação garante a origem e a forma produtiva do alimento que chega ao consumidor, atestando que a produção está em harmonia com o meio ambiente.

Sistemas

Os produtores de orgânico destacam que a atividade tem impacto ambiental positivo, como a ampliação dos ecossistemas locais e a redução do aquecimento global.

A prioridade desse sistema é empregar matéria orgânica e adotar boas práticas que harmonizem os processos biológicos. Os produtos orgânicos são provenientes de sistemas baseados em processos naturais.

As técnicas para obter o produto orgânico incluem manejo da matéria orgânica, uso de adubação verde e biofertilizantes, consórcio e a rotação de culturas, emprego de sementes crioulas ou de variedades mais resistentes e adaptadas e utilização de controle fitossanitário biológico, mecânico ou cultural. Estes fatores garantem a qualidade dos alimentos orgânicos.

Fonte: MAPA

O mercado dos tratores agrícolas *

16/10/2015   JY  Geotecnologias

Tendo em vista a demanda crescente de tratores no Brasil, para se ter uma base, somente no mês de julho de 2015 foram matriculados 360 tratores agrícolas novos, o que significa um acréscimo de 2 por cento, face ao mesmo mês do ano anterior. Por tipo de tratores, foram matriculados 165 tratores convencionais, 120 tratores compactos e 75 tratores especiais (fruteiros e vinhateiros) o que significa uma variação homóloga de mais 10 por cento, de menos 6,3 por cento e uma estabilização do mercado, respetivamente.

Em termos de valores acumulados nos primeiros sete meses de 2015 foram matriculados um total de 2.754 tratores novos o que representa um decréscimo do mercado de 0,4 por cento, relativamente ao mesmo período do ano anterior, o qual foi determinado pela queda de 3,4 por cento e de 3,3 por cento das matrículas de tratores convencionais e de compactos, respetivamente. No período em análise, as matrículas de tratores especiais registaram um acréscimo de 13,4 por cento.

Quanto à distribuição do mercado de tratores novos por classes de potência nos primeiros sete meses do ano, os escalões que vão dos 40 aos 88kw representaram 46,7 por cento do total das matrículas, os escalões até aos 39kw representaram 44,3 por cento e os escalões com mais de 88kw representaram 9 por cento.
A potência média dos tratores novos vendidos em Portugal situa-se nos 52Kw.

Até as próximas novidades !

Tecnologia da Tuzzi amplia força no mercado agrícola !

20/08/15  JY  Geotecnologias

Com o trabalho direcionado para testes de produtos e projetos em desenvolvimento, o Centro Tecnológico Tuzzi (CTT)  ganha cada vez mais a confiança de grandes segmentos do mercado brasileiro, como é o caso do setor agrícola e automotivo. Após completar um ano desde o início de suas atividades em abril de 2014, o CTT está mais maduro, com casos de sucesso e mais próximo de grandes empresas que optaram por avaliar seus produtos numa base de testes aqui no Brasil.

“Neste período, já demos passos importantes como a homologação de montadoras de tratores multinacionais para realização de testes e desenvolvimento de novas soluções que serão lançadas no mercado agrícola em 2016”, pontua César Bonacini, gerente comercial da Tuzzi. Com resultados positivos, as próprias multinacionais do setor já passaram a indicar o trabalho para testes e validação.

De acordo com Bonacini, a instalação do CTT fortaleceu a imagem e a marca da empresa que sempre prezou pelo desenvolvimento de produtos com alta tecnologia, além de ter criado uma aproximação maior entre a Tuzzi e as montadoras.  “Além de sermos conhecidos como fabricante de peças, com o CTT, sentimos que o mercado já nos reconhece como uma parceira no desenvolvimento completo de novas soluções”, garantiu.

Neste primeiro ano do Centro Tecnológico, só para o setor agrícola, foram realizados testes no sistema de terceiro ponto e em uma ampla variedade de modelos de implementos. Bonacini atribui isso a própria evolução do mercado nacional que está cada vez mais alinhado com as tecnologias globais demandando uma evolução das engenharias.

Outros mercados também demonstraram interesse em utilizar o CTT como base de testes de novos produtos, como o mercado aeronáutico e de energia eólica, que são setores em expansão e, por isso, bastante promissores. “Estamos entusiasmados por sermos procurados por esses segmentos. É importante saber que o resultado do nosso trabalho tem repercutido positivamente em novos setores para a Tuzzi”, disse.

Com uma demanda crescente e evoluindo mais rápido do que o previsto, Bonacini acredita que ainda existe um vasto mercado a ser explorado para esta primeira fase e não perde o foco quando o assunto são as prioridades do Centro Tecnológico. “Para o próximo ano, com certeza, nossos investimentos serão direcionados para a ampliação na captação de novos profissionais para o CTT”, completou.

Fonte: Empresa TUZZI

EUA liberam importação de carne in natura do Brasil

02/07/15  JY Geotecnologias

Os Estados Unidos liberaram a importação de carne in natura de 14 estados do Brasil, segundo a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu. De acordo com o comunicado do ministério, a decisão encerra uma restrição praticada há 15 anos.

A medida, diz o texto, favorece a 95% da agroindústria exportadora brasileira. Agora caberá aos estados brasileiros se habilitarem para a venda de carne in natura ao mercado norte americano.

“Temos que persistir obstinadamente em praticar uma defesa agropecuária de forma permanente. Vamos trabalhar para que o Brasil se situe entre os cinco países do mundo como referência agropecuária”, afirmou a ministra, segundo a nota.

“A presidente Dilma Rousseff tem dado todo o apoio à defesa agropecuária e colocou seu peso político nas negociações com os Estados Unidos para alcançarmos essa posição”, disse Kátia Abreu.

Há 15 anos, os Estados Unidos não importam carne in natura do Brasil e o desfecho da negociação desta segunda-feira é uma sinalização importante para a abertura de novos mercados. Os EUA são reconhecidos pela severa restrição ao ingresso de produtos no seu mercado doméstico.

Regulamentações
De acordo com a Reuters, o Serviço de Inspeção de Sanidade Animal e Vegetal do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) está alterando suas regulamentações para permitir a importação de carne bovina não processada do Brasil e da Argentina sob algumas condições específicas que mitiguem o risco de transmissão de febre aftosa, disse a agência nesta segunda-feira.

“Este é o primeiro passo do processo para que estas regiões ganhem acesso ao mercado de carne bovina dos Estados Unidos”, disse o serviço.

Brasil e Argentina também precisam atender padrões de segurança alimentar antes de serem definitivamente habilitados para qualquer embarque de carne bovina para os EUA.

A avaliação de riscos feita pela agência do USDA indica que a carne bovina, resfriada ou congelada, pode ser importada com segurança, contanto que certas condições sejam garantidas para evitar a chegada do vírus da febre aftosa aos EUA.

O USDA irá avaliar a equivalência dos programas de sanidade do Brasil e da Argentina com os dos EUA, além de um realizar uma auditoria presencial nos sistemas de segurança alimentar dos dois países. As regras demoram 60 dias para vigorarem, após a publicação no diário oficial norte-americano.

Fonte: brasilrural

Gotejamento inteligente – Irrigação !

01/05/15   JY  Geotecnologias

Sistema de irrigação eficiente é com a  Netafim !

Netafim

A Netafim, empresa pioneira e líder mundial em soluções de irrigação por gotejamento, desenvolveu a técnica de gotejamento subterrâneo para a cana-de-açúcar, que proporciona bons resultados em aumento de produção, em economia de água e na qualidade do solo. “O gotejamento subterrâneo também ajuda a aumentar a longevidade do canavial. No Brasil, temos casos de áreas que estão no 14º corte, sendo que a média de uma área de sequeiro ou de métodos de irrigação tradicionais é de 6 a 8”, explica Daniel Pedroso, engenheiro agronômico da Netafim Brasil.

Vantagens :

Possui um sistema de irrigação por gotejamento que gera uma economia no volume de água entre 30% e 50%, em relação a outros sistemas, que resulta em mais água para o consumo humano – de 20% a 40%. Outro benefício é a fertirrigação, que aplica os nutrientes direto na raiz da planta fazendo com que ela cresça mais rápido que as demais, ampliando a produtividade. A solução pode ser usada em diversos tipos de cultura: milho, soja, citrus, café, seringueira e cultivos de horticultura.

 “Sabemos do potencial da cultura se o manejo for realizado da forma correta e o uso do gotejamento subterrâneo é a técnica ideal para alcançar tais resultados”, finaliza Daniel Pedroso.

Fonte: Netafim

Case IH para toda América Latina: Agrofito Colhedora de Cana Case IH A 8800

22/11/14   JY  geotecnologias

 

A Case IH, pioneira em tecnologia de colheita mecanizada de cana-de-açúcar, possui em seu portfólio para o mercado sucroenergético a colhedora de cana-de-açúcar A8800 Multi-Row, projetada para atender à crescente demanda por redução de custos operacionais, com a versatilidade de colher em canaviais com espaçamentos variados.
Seu exclusivo sistema patenteado de divisores de linha tem como característica a flexibilidade de ajuste para a colheita em diferentes espaçamentos, de acordo com as condições em campo.Configurado para trabalhar em canaviais com espaçamentos reduzidos e espaçamentos combinados, esse sistema apresenta como principal vantagem colher em linhas adjacentes de até 1,5 metro, totalizando 3,0 metros de largura de corte mecanizado.

Esse sistema contém dois discos de corte na parte frontal, um em cada divisor de linha, onde a cana é cortada sem a necessidade de ser tombada para realizar o corte. Após o corte, o volume de cana é direcionado para os rolos alimentadores e, nessa nova configuração, o corte de base servirá como um componente de recolhimento da cana, facilitando, dessa forma, a alimentação da máquina.


Essa tecnologia de corte – sem a necessidade do tombamento da cana – garante perdas similares à colhedora A8800 e uma altura de corte sem danificar as soqueiras, com baixas taxas de impureza mineral. Tudo isso se resume ao melhor resultado: aumentar a longevidade do canavial.

Confira aqui o vídeo de apresentação em que busca alternativas de adensamento no cultivo de cana, além da permanência das lavouras já estabelecidas. Em suma, o produtor sucroenergético planeja o canavial à sua maneira, e
a Case IH oferece a solução para a sua colheita.

Confira aqui também o catálogo com todas as informações sobre a Colhedora de Cana Case IH! 

Fonte: eaemaquinas

SILAGEM: A Kepler Weber adiciona mais uma inovação!

15/09/14   JY  geotecnologias

Mais inovações para o alcance de uma melhor armazenagem, cuidado além de um melhor insumo onde a nova linha de silos da Kepler Weber traz diferenciais na concepção estrutural para garantir a qualidade do grão e oferecer segurança na operação, com padrões construtivos que respeitam a legislação vigente, afirma a empresa.A linha possui modelos que atendem de 24 a 156 pés de diâmetro, ampliações verticais por meio do aumento do número de anéis no corpo, otimizando o espaço físico, e aumento da resistência a ventos, passando para 144Km/h de velocidade.

O revestimento das chapas é de liga metálica para proporcionar maior vida útil do telhado e corpo. Os silos a partir do modelo SL- 42 possuem três montantes por chapa, para permitir melhor configuração da distribuição das cargas, mais segurança e agilidade. Além disso, segundo a fabricante, há aumento do fluxo de carga e descarga devido ao reforço estrutural do corpo e da nova estrutura do telhado.

ARMAZENAGEM

Para a qualidade da armazenagem, a nova distribuição de respiros permite, por meio do efeito termossifão ou efeito chaminé, um diferencial de temperatura existente entre o bolsão de ar interno e a temperatura do ar externo. O sistema de termometria dos silos possui sensores de temperatura que ficam mergulhados na massa de grãos, gerando dados em diferentes níveis e posições. Adicionalmente, o sistema de aeração – que pode ser acionado automaticamente – mantém as condições ideais de temperatura e umidade, para que o produto armazenado tenha uma qualidade superior.

A vedação dos silos apresenta aplicação de três filetes de borracha calafetadora, que são intercaladas entre todas as costuras verticais das chapas laterais, e contém fixadores com dupla vedação interna e externa. Essas características proporcionam maior vedação no corpo do silo, bem como melhor limpeza, já que os parafusos são montados de dentro para fora.

Segundo o gerente de marketing Felipe Maciel, as inovações propiciam melhoras significativas em termos de qualidade final do produto, trazendo consideráveis ganhos econômicos para nossos clientes em todas as escalas. 

Além disso, o sistema de segurança garante que todas as escadas externas e do telhado tenham um corrimão superior, inferior e de rodapés, plataformas de descanso e cabo de vida, interno e externo.

 

Fonte: kepler.com

 

 

Massey Ferguson DIVULGA: trator MF 8670, o mais tecnológico da atualidade!

19/07/14    JY  geotecnologias

A Melhor até  o momento! Confira: 

Com 320 cv de potência, a máquina é a única no país com transmissão continuamente variável (CVT, na sigla em inglês), o mesmo conceito que leva conforto e economia de combustível aos carros mais modernos vendidos no mercado. A transmissão garante maior precisão na aplicação e também gera economia de combustível, uma vez que consegue a manutenção da velocidade e rotação do motor em um nível ideal à aplicação. O trator conta com piloto automático de série e função de gerenciamento eletrônico da rotação – DTM – que melhora o desempenho durante o trabalho, gerando economia de combustível. Com esta máquina, há ainda a possibilidade do operador realizar mais de 30 funções com apenas um toque de botão. Os tratores da série MF 8600 possuem ainda diferenciais como vazão de controle remoto de 175 litros/min, suspensão ativa de eixo dianteiro e capacidade de levante hidráulico de 12 toneladas.

Outro produto presente é o pulverizador autopropelido MF 9030. O modelo conta com versões que possuem vão livre de 1,50 m e 1,65 m. O MF 9030, com seu chassi flexível, conquistou produtores de todo o País por ser capaz de trabalhar nas mais variadas condições de solo e topografia, mantendo o conforto operacional e a tração durante toda a aplicação.

Completa a oferta de produtos, em test drive no Planeta Massey Ferguson, o trator MF 7415 equipado com o piloto automático. O trator faz parte da série MF 7000 Dyna-6 e apresenta a perfeita integração entre modernidade, tecnologia e rentabilidade. O principal destaque fica por conta da transmissão inteligente Dyna-6, que permite programação prévia e troca automática de marchas para determinada faixa de rotação e velocidade, proporcionando alto desempenho aliado à economia de combustível. Esse sistema também não exige acionamento de embreagem para a troca de marchas, aumentando a eficiência operacional. As máquinas da série MF 7000 Dyna-6 proporcionam alto rendimento e produtividade durante a operação de preparo de solo e plantio aos produtores para as principais culturas da região: milho, feijão e soja.

Junto do trator, os clientes conhecerão no Planeta Massey Ferguson a plantadeira MF 515 que conta com nova linha pneumática para sementes e a opção de taxa variável. A linha pneumática de sementes oferece um trabalho eficaz mesmo em solos irregulares. As diferentes configurações que a linha apresenta permitem que o agricultor disponha sempre da maior precisão para qualquer tipo de solo. Já a taxa variável permite o controle da dosagem de sementes e fertilizantes durante o plantio explorando ao máximo a potencialidade do solo oferecendo redução de custos ao produtor. Por meio de um sistema hidráulico independente, os equipamentos podem ser acoplados a qualquer modelo de trator cabinado. Para controlar esta ação, o operador conta com o piloto automático Auto Guide 3000 que oferece até três níveis de precisão nas passadas e com o monitor C 3000 de 12,1 polegadas (touchscreen), calibrado com apenas o toque da tela para taxa fixa ou com trabalhos via mapas de adubação e plantio a taxa variável. Além de realizar os test drive, os produtores poderão conhecer de perto todas as linhas de tratores, colheitadeiras e implementos Massey Ferguson, referência em desempenho e eficiência no mercado brasileiro há mais de meio século.

Fonte: Cultivar