É viável a produção de feno?

28/10/14    JY  Geotecnologias

$alttext

Tomando como base a escassez de água pelo Brasil, tomemos como exemplo um produtor de feno de Iporã do Oeste , em que o mesmo diz que  o mercado vem evoluindo e a demanda anda aumentando cada vez mais!

Devido à falta de água, a produção de milho, por exemplo, foi uma das culturas na região que ficaram comprometidas. Como consequência disso, produtores de leite – atividade predominante em boa parte do extremo oeste – tiveram o cultivo de silagem afetada, tanto em quantidade como em qualidade.

Agricultores que trabalham com bovinos ou ovinos e caprinos sabem que é primordial a armazenagem de alimentos para os animais. E a silagem – à base de milho – acaba sendo a principal opção de muitos. Contudo, é bom ficar preparado, pois, na falta deste tipo de complemento alimentício animal, é bom estar atento a outras opções que podem suprir a necessidade e garantir, por exemplo, a produção leiteira.
Ocasiões chuvosas são fundamentais para garantir uma boa produção alimentícia tanto de seres humanos quanto de animais. Em épocas secas, como a que ocorreu no extremo oeste catarinense há cerca de um ano, agricultores amargaram inúmeros prejuízos e ainda sentem as consequências da estiagem.

A OPÇÃO DO FENO

Além da silagem, o feno também é uma alternativa de alimento para animais. E a procura e produção deste mantimento tem aumentado na região. “Tenho feito entregas em praticamente todo o oeste, muitos agricultores estão optando pelo feno”, destaca o produtor Nadir de Marchi, da linha Entre Rios, em Iporã do Oeste, que trabalha há quase dez anos com a fenação.

Ainda em 2004, impossibilitado de criar animais na propriedade pelo fato de o local ser considerado perímetro urbano, Marchi conta que decidiu apostar na produção de feno para venda. “Resolvi investir na produção porque percebi que poderia ser um mercado promissor, e isso pelo fato de o setor leiteiro ser bastante desenvolvido na região. Atualmente, existe um bom número de produtores que também começaram a se dedicar a essa atividade, mas percebo que a demanda por feno também tem aumentado”, avalia.

Em geral, o feno é produzido a partir de gramíneas ou leguminosas cortadas, secas e estocadas para posterior consumo dos animais. Atualmente, Marchi conta que tem 35 hectares da propriedade reservados com o plantio de tifton – gramínea com a qual confecciona o feno. “O tifton é uma das gramas mais propícias para a fabricação do feno. Somente no inverno é que plantamos áreas maiores de aveia azevém e usamos estas para fazer feno”.

VIABILIDADE

Conforme o produtor de feno, a atividade é viável e as maiores despesas ficam principalmente por conta da adubação e também de mão de obra. Com o tifton, Marchi ressalta que são realizados um corte a cada 35 dias. Em números, o produtor calcula que já chegou a produzir em um ano em torno de 70 mil fardos de feno. Contudo, ele pretende diminuir o montante pela metade, isso porque almeja investir no pré-secado.

A denominação de pré-secado se dá quando as gramíneas armazenadas obtêm um teor de matéria seca de no mínimo 30%. Além disso, o material do pré-secado também tem por característica ser embalado em filme stretch, protegendo o mesmo do ar, água e luz. “Vamos apostar no pré-secado, porque assim teremos menos mão de obra, já que como o produto fica bem embalado não é necessário guardar em galpões, podendo ser estocado ao ar livre sem perder a qualidade”, explica.

ETAPAS DE PRODUÇÃO

O corte das gramíneas usadas para a fabricação do feno pode ser feito de forma mecanizada ou manual. E isso vai depender dos recursos de cada produtor. Após o corte, é realizada a viragem, que consiste no manuseio do material para que a maior parte possível seja exposto ao ambiente, de forma a expor a maior área possível da forragem para a secagem. Em seguida é feito o enleiramento ou “aglomeramento” do material que está secando, para que, caso haja uma possível chuva, ela não leve a forragem cortada. Por último, é feito o enfardamento; e em seguida ocorre a estocagem do feno.

Em geral, os equipamentos utilizados na fenação são ceifadeira – acoplado no trator – cuja função é cortar, através de suas facas a gramínea; ancinho, outro implemento com função de formar as leiras e a enfardadeira, que confecciona os fardos para serem estocados.

 

 

Fonte: Folhadooeste.com

 

Anúncios

Sobre Jana Yres

Graduação em Engenharia Agrícola-UFCG , Atuação profissional: AESA (Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba). Áreas de atuação: Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. Aplicação de aulas de SIG e PDI , atuação nas áreas de agrometeorologia, irrigação e drenagem (zoneamentos agrícolas), trabalhos em campo com dimensionamento de áreas (Agrimensura) e Mapeamentos aplicados a projetos rurais, florestais e recursos hídricos. Gestão Ambiental - analise e consultoria. É professora de Língua Espanhola. Participa de um projeto social da UFCG, o cursinho pré-vestibular solidário.

Publicado em 28/10/2014, em Agricultura e Engenharia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: