E quem disse que o Planeta Terra vai bem? As previsões não são nada boas

27/05/14  JY  geotecnologias

A revista Nature publicou ontem um estudo da NOAA, agência americana de estudos sobre oceanos e atmosfera, que mostra que os ciclones tropicais estão atingindo sua intensidade máxima cada vez mais longe dos trópicos. A migração dos ciclones nos últimos 30 anos teria sido de 53 km por década na direção norte e 62 km por década na direção sul. Isso significa que áreas que até aqui estavam pouco ou nada expostas a ciclones passarão a está-lo. Em compensação, as áreas tropicais que dependem das precipitações abundantes associadas aos ciclones sofrerão mais secas. Em ambos os casos, há prejuízos à vista, e a prazo.

Essa migração tropical é mais intensa nos oceanos Pacífico e Índico, e não teria sido observada no Atlântico. Mas o fenômeno vem sendo registrado em diversos estudos desde os anos 1980. Segundo os cientistas, essa expansão dos trópicos pode ser explicada pelo aumento das emissões de gases de efeito estufa, dos picos de ozônio e da poluição atmosférica.

Recordes negativos

Por falar em gases de efeito estufa, comemoramos neste mês um ano de ultrapassagem do limite simbólico de 400 partes por milhão (ppm) de CO2 no ar, ocorrida em maio de 2013. É simbólico em termos, já que, segundo os cientistas da área, esse nível de CO2 poderia perturbar os ciclos naturais de forma irreversível e deixar a humanidade pendurada na brocha. Não se empolgue, não haverá lugar na brocha para todo mundo.

Mas nem acabamos ainda com os brigadeiros da festa e o danadinho do aniversariante já bate outro recorde: um mês inteiro acima de 400 ppm, em abril de 2014, na mesma estação da NOAA em Mauna Loa (Havaí) que havia registrado a ultrapassagem dos 400 ppms em 2013.

Se você não tem medo de altura, recomendo assistir à animação preparada por um dos institutos da NOAA sobre a evolução da concentração de CO2 na atmosfera. O vídeo mostra que não há precedente de concentrações tão altas nos últimos 800 mil anos.
Já sabemos que mais CO2 gera mais aquecimento, que gera mais derretimento de geleiras. As que estão sobre os continentes preocupam mais que as outras. Ao contrário das geleiras flutuantes, que têm apenas uns 10% de seu volume acima da linha d’água, as geleiras continentais, ao derreterem, verterão no mar todo seu volume de preciosa e limpa água doce. Ali, essa água não matará mais a sede de ninguém, nem regulará mais o ciclo hidrológico e a economia.

Que chato, porque dois estudos divulgados em 12 de maio trazem más notícias sobre as geleiras do oeste da Antártica, que contêm água suficiente para fazer o nível do mar subir em pelo menos um metro.

O recuo das maiores geleiras do mar de Amudsen atingiu um ponto de não retorno

O primeiro, no prelo na Geophysical Research Letters, analisou 40 anos de observações e conclui que o recuo das maiores geleiras do mar de Amudsen atingiu um ponto de não retorno. O derretimento atual dessas geleiras já contribui significativamente para a subida do nível do mar, pois seu aporte anual de água para o oceano é equivalente ao de toda a Groenlândia. Como sempre, nesse caso, também a evolução do derretimento foi mais rápida do que o previsto pelos cientistas.

Eric Rignot, glaciologista da Universidade da Califórnia em Irvine e da Nasa e principal autor desse estudo, estima que o derretimento observado pode desestabilizar outras placas de gelo da região, o que poderia elevar o nível do mar em até 3 metros nos próximos séculos.

O segundo estudo, publicado na Science, teve como foco a geleira Thwaites, a maior da região Antártica. Por meio de mapas topográficos de grande detalhamento e de métodos computacionais sofisticados, os autores mostram que a desintegração desse monstro de mais de 100 km de comprimento e dezenas de km de largura já começou e estimam que ele desaparecerá por completo daqui a 200 a 500 anos. Essa geleira, sozinha (quem dera…), tem água suficiente para elevar o nível do mar em 60 cm.

Geleira Thwaites
Vista aérea da geleira Thwaites, a maior da Antártica, em outubro de 2013. 
Estudo aponta que essa geleira, com mais de 100 km de comprimento, 
já começou a derreter e desaparecerá por completo daqui a no máximo 
500 anos. (foto: James Yungel/ Nasa)

Ventos ameaçadores

Confesso que tenho muito medo dessas previsões terríveis. Elas acabam sempre errando por excesso de otimismo. Mas, ai de mim… A revista Nature Climate Changepublicou nesta semana (e que semana!) um estudo da Universidade Nacional da Austrália que revela que os atuais ventos do oceano Austral – de novo, da Antártica – nunca foram tão fortes nos últimos 1.000 anos.

Esses ventos quase míticos enlouqueceram gerações e mais gerações de marinheiros durões. Nerilie Abram, uma das autoras do estudo, diz que a força desses ventos sofreu aceleração mais intensa nos últimos 70 anos e que, cruzando os dados do estudo com aqueles de modelos climáticos, é possível associar claramente o fenômeno ao aumento da concentração de gases de efeito estufa.

Os atuais ventos do oceano Austral nunca foram tão fortes nos últimos 1.000 anos

Deve ser duro ser um pinguim em um cenário desses, já difícil por natureza e que está cada vez mais difícil por ação humana. O mais duro para essas aves, que já estão pagando o pato pelas mudanças climáticas, seria saber que uma busca por pinguins-de-adélia (ave que habita a Antártica) no Google traz 21.800 resultados. Uma busca por mortalidade de pinguins-de-adélia, apenas 3 mil.

Na primeira busca, predominam links sobre a perversidade sexual desses pinguins, que seriam bissexuais, pedófilos e necrófilos, segundo o relato escandalizado de um naturalista britânico e vitoriano do início do século 20, George Murray Levick, desenterrado (o relato) quando surgiram evidências de que os bebês pinguins, tão fofinhos, estão morrendo de fome e de outras causas ligadas a mudanças climáticas.

Fonte: Jean Remy

Anúncios

Sobre Jana Yres

Graduação em Engenharia Agrícola-UFCG , Atuação profissional: AESA (Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba). Áreas de atuação: Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. Aplicação de aulas de SIG e PDI , atuação nas áreas de agrometeorologia, irrigação e drenagem (zoneamentos agrícolas), trabalhos em campo com dimensionamento de áreas (Agrimensura) e Mapeamentos aplicados a projetos rurais, florestais e recursos hídricos. Gestão Ambiental - analise e consultoria. É professora de Língua Espanhola. Participa de um projeto social da UFCG, o cursinho pré-vestibular solidário.

Publicado em 28/05/2014, em Novidades (Eventos / Cursos / Produtos). Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: