JY Geotecnologias – Estamos prontos para lhe atender *

  JY  Geotecnologias

Contatos vía e-mail: yresveloso@hotmail.com / andrepbgeo@hotmail.com / jyespanhola@yahoo.com.br

Resultado de imagem para whatsapp83-98613-1882

Anúncios

Conferência da rede Ecosystem Services Partnership (ESP) para a América Latina e Caribe 2018

17/07/2018   JY Geotecnologias

ESP LAC 2018

Olá pessoal,

Mais uma conferência da rede Ecosystem Services Partnership (ESP) para a América Latina e Caribe deste ano será realizada no Brasil, entre os dias 22 e 26 de outubro, na Unicamp, em Campinas (SP).

As chamadas para submissão de resumos para os interessados em apresentar trabalhos no encontro estão abertas até o dia 23 de julho . Criada em 2008 para promover avanços na gestão e promoção de serviços ecossistêmicos para conservação dos recursos naturais, restauração de ecossistemas e manejo sustentável, a ESP é uma rede mundial que congrega mais de 3 mil cientistas, formuladores de políticas e profissionais de serviços ecossistêmicos que atuam em mais de 40 grupos de trabalho em redes nacionais de todos os continentes.

A conferência está sendo organizada sob o tema “Mudanças globais, serviços ecossistêmicos e acordos multilaterais na América Latina e no Caribe”, e promoverá discussões sobre o que os países da região estão fazendo para cumprir acordos internacionais como a Convenção sobre Diversidade Biológica (Metas de Aichi) e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Durante o encontro, os palestrantes principais destacarão as questões-chave e fornecerão subsídios para as discussões nas sessões e grupos de trabalho paralelos. Haverá também uma sessão de pôsteres e um tópico de negócios, com o objetivo de discutir estratégias para melhorar o vínculo entre ciência, política e negócios. A programação prevê ainda momentos para troca de experiências entre os participantes, incluindo viagens de campo na região de Campinas.

“É uma grande oportunidade para fortalecermos a rede brasileira em serviços ambientais e divulgar os trabalhos que realizamos em nosso País. Isso vai gerar reconhecimento do nosso grupo, possibilidades de trabalhos em parceria, troca de conhecimento e experiências”, diz Ana Paula Turetta, pesquisadora da Embrapa Solos (RJ) e uma das coordenadoras da rede brasileira da ESP.

Conferências pelo mundo

Também em outubro acontecerão as conferências regionais da ESP da Ásia, na Índia, e da Europa, na Espanha. A conferência norte-americana está marcada para dezembro, em Washington. O encontro do norte da África e do Oriente Médio foi realizado em abril, na Jordânia.

A décima edição da conferência mundial da ESP está programada para setembro de 2019, em Hannover, na Alemanha.

Mais informações acesse o site do evento: LAC 2018

 

 

 

Fonte: EMBRAPA

Laser Spectra Precision UL633 – Construção, Controle de Máquinas, Tubulações e Interiores!

17/07/2018  JY Geotecnologias

Agricultura de precisión: bajo riesgo del cambio climático

28/06/2018  JY  Geotecnologias

Resultado de imagem para campo tecnologia

Hola todos,

Vamos a leer un poco lo que dijo Héctor Valdés Conroy, de la importancia de la agricultura de precisión…

“La agricultura de precisión conlleva una estrategia de manejo dirigida a incrementar la productividad y los retornos económicos con un impacto reducido en el medio ambiente. Se basa en la aplicación de tecnologías de información a la descripción de la variabilidad del terreno, a la aplicación variable de insumos y al sistema de toma de decisiones”. Desde una perspectiva económica, la agricultura de precisión podría definirse simplemente como producción agrícola eficiente, o como el uso correcto de insumos en el tiempo y en el espacio con el fin de optimizar la producción y minimizar el desperdicio. “Es una manera de aplicar el tratamiento correcto al lugar adecuado en el momento preciso”.

Tal y como lo sugieren estas definiciones, la agricultura de precisión puede tener varias ventajas tanto para el productor como para toda la economía:

  1. Aumento de los rendimientos En un estudio realizado en 2012, por ejemplo, se determinó que “sería posible cerrar las brechas mundiales de rendimientos de los principales cereales hasta un 79% de los rendimientos alcanzables [un aumento del 29% en la producción global] haciendo cambios relativamente mínimos en el uso total mundial de nitrógeno y fosfato, combinando una intensificación focalizada con esfuerzos dirigidos a reducir desequilibrios e ineficiencias de nutrientes”.
  2. Mayores rendimientos significa que hay más alimentos —mayor seguridad alimentaria— y, muy probablemente, mayores ganancias para los agricultores.
  3. Beneficios ambientales:
  • El logro de mayores rendimientos implica que es posible aumentar la producción sin necesidad de expandir el área agrícola, lo cual a su vez implica menos deforestación y agotamiento de los recursos naturales.
  • La reducción de las cantidades de fertilizantes y otros agroquímicos puede generar enormes beneficios en términos de reducciones de gases de efecto invernadero menos contaminación de suelos y masas de agua por la escorrentía proveniente de los cultivos.
  • El uso preciso del agua implica un importante ahorro de ese recurso tan escaso.
  1. Sanidad agrícola. Si se logra implementar de manera frecuente un monitoreo de los cultivos —por ejemplo con drones y otras técnicas de teledetección—, la incidencia de las plagas y otras enfermedades se puede controlar de manera más rápida, facilitando así la contención de la epidemia.

Pero, como siempre, no hay nada gratis. Por lo general, la agricultura de precisión involucra el uso de lo más avanzado en maquinaria —algunas fincas grandes, por ejemplo, usan tractores sin conductor, monitoreados en tiempo real vía satélite, con los cuales se siembran las semillas o se aplican los agroquímicos con una precisión de menos de 2cm—.  Asimismo, exige recolectar grandes volúmenes de información a lo largo del tiempo y del espacio para luego analizarla y poder determinar las acciones necesarias para maximizar los rendimientos en cada una de las secciones del terreno. Es por eso que la agricultura de precisión puede ser costosa y difícil:

  • Los equipos y maquinaria asociados son costosos, si bien su precio continúa bajando.
  • Su operación y mantenimiento requieren competencias especializadas.
  • La interpretación de la información proveniente del terreno y de otras fuentes es una tarea compleja que consume tiempo y que puede requerir la contratación de los servicios de una firma especializada.
  • Los mercados de insumos, maquinaria, partes y mano de obra calificada deben desempeñarse eficientemente para que la agricultura de precisión pueda funcionar y ser rentable.

Por todo lo anterior, es más fácil que la agricultura de precisión sea adoptada por fincas de gran tamaño, las cuales por lo general tienen mejor acceso a los mercados y para las que estos costos —algunos de ellos fijos— son inferiores a las ganancias potenciales que arroja la producción en gran escala.

¿Significa esto que los pequeños productores agrícolas —e incluso los medianos— no pueden adoptar esta agricultura de precisión? ¿Están condenados a continuar con prácticas agrícolas ineficientes que producen rendimientos más bajos, menores ganancias e impactos negativos importantes en el medio ambiente? Hay razones para pensar que esto no tiene por qué ser así.

Primero, el progreso tecnológico está reduciendo el costo y el tamaño de la maquinaria de la agricultura de precisión y muy pronto podrá estar al alcance de los pequeños agricultores.

 

 

MEIO AMBIENTE: SEMINÁRIO MULTIDICIPLINAR SOBRE DESASTRES (I Seminário Nacional e VI Seminário Regional) 2018

21/06/2018  JY Geotecnologias

Olá todos,

Mais um evento importante em nossa Campina Grande acontece! Não perca o  SEMINÁRIO MULTIDICIPLINAR SOBRE DESASTRES (I Seminário Nacional e VI Seminário Regional) 2018, que será  será realizado na Universidade Federal de Campina Grande, UFCG, nos dias 25, 26 e 27 de Outubro de 2018.

OBJETIVOS

O evento quer mobilizar os poderes públicos, membros e líderes de comunidades vulneráveis a desastres e de organizações não governamentais para discutir sobre a problemática dos riscos de desastres, pesquisas e ações de extensão desenvolvidas pela comunidade acadêmica sobre o tema.

O evento aguarda a presença de toda comunidade acadêmica: Geógrafos, Engenheiros Ambientais e Civis, Topógrafos, Cartógrafos, Geotecnologias, e afins !

Acesse o site do Evento: SEM DESASTRES 2018

Boa sorte !

XI Jornadas Patagónicas de Geografía y I Congreso Internacional de Geografía de la Patagonia argentino-chilena 2018

21/06/2018  JY Geotecnologias

Hola, Olá todos,

Apresentamos a todos a divulgação através da Unidade AcadÊmica de Geografia e a Faculdade de Humanas da Universidad Nacional del Comahue, para convida-los a  XI Jornadas Patagónicas de Geografía y I Congreso Internacional de Geografía de la Patagonia argentino-chilena apresentando o seguinte tema “Contradicciones del desarrollo y horizontes alternativos”, que será realizado nos dias 26, 27, 28 e 29 de setembro de 2018 na cidade de  Neuquén.

OBJETIVOS

– Consolidar os vínculos institucionais entre los Unidades acadêmicas e Institutos de Geografía da Patagonia argentino-chilena.
– Estimular o diálogo, a reflexão e os mecanismos de cooperação entre docencia, pesquisa e extensão dos estudos sobre a  Patagonia argentino-chilena numa perspectiva regional.
– Gerar uma roda de discussões entre as  diferentes perspectivas teóricas – metodológicas com relação a situação da Patagonia no contexto dos modelos de desenvolvimeno de ambos os países.
Para participar é só acessar o site: GEOPATAGONIA2018
Boa sorte!

Aproveite a promoção e adquira um GPS para o seu barco!

20/06/2018   JY Geotecnologias

Manual de Geoprocessamento: uso do ENVI 5.3 para classificação de imagens

13/06/2018  JY Geotecnologias

Olá todos,

Atualmente nossos trabalhos estão sendo voltados para realização de classificação e mapeamento com imagens de satélite utilizando softwares que trabalham o PDI e segue aqui para vocês um manual interessante elaborado recentemente, que ganhamos para você que trabalha com classificação de imagens. Tem varias situações dentro desse manual que foi elaborado pela equipe do Ministério da Agricultura e Irrigação do Peru. Muito bom os procedimentos envolvidos que foram destinados para o desenvolvimento rural do país. O manual é em espanhol!

blog 13-06

Colaboradores: 

José Revilla Vuelot
Director Ejecutivo
Unidad Ejecutora Gestión de Proyectos Sectoriales – UEGPS

MINISTERIO DE AGRICULTURA Y RIEGO
José Berley Arista Arbildo
Ministro de Agricultura y Riego

Vamos baixar? AQUI – MANUAL TÉCNICO IMÁGENES SATELITALES – PIADER 26.02.18

Boa sorte na pesquisa!

Discos de qualidade para o plantio direto!

01/06/2018  JY Geotecnologias

blog 02-06-2018

Planejando o Plantio Direto? Use os discos Thunder 

O Disco Thunder da Metisa foi desenvolvido com ondas radiais que lembram o formato de um raio. Por isso a interseção destas ondas garante o máximo desempenho no corte, promove uma segunda fragmentação dos torrões do solo e exige menores valores verticais e horizontais de penetração, estimulando a oxigenação da terra e facilitando a germinação das sementes.

As ondas radiais entram verticalmente no solo abrindo novos sulcos, exigindo menos pressão e gerando o máximo desempenho de corte. Elas saem paralelas ao chão e além de promoverem a segunda fragmentação dos torrões, os lançam de volta ao solo, sem provocar amontoamentos. E ainda, as ranhuras entram verticalmente no chão, criando uma superfície nivelada e em excelente profundidade para que as plantas cresçam uniformemente e que as raízes cheguem aos nutrientes necessários.

Para conferir mais sobre essa potencia entre no site: METISA

 

Fonte: MeIA / Metisa

9º Workshop em Engenharia e Tecnologia Espaciais (WETE) 2018

30/05/2018  JY Geotecnologias

WETE 2018

Olá todos,

O 9º Workshop em Engenharia e Tecnologia Espaciais (WETE), será realizado nos dias 15 e 16 de Agosto de 2018 no Auditório Fernando de Mendonça, nas dependências do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais em São José dos Campos. É destinado a alunos da Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia Espaciais (PG-ETE). O Curso de Pós-graduação da ETE possui 4 Áreas de Concentração: Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais (CSE), Combustão e Propulsão (PCP), Mecânica Espacial e Controle (CMC) e Materiais e Sensores (CMS). As linhas de pesquisas distribuídas dentro de cada área de concentração se complementam gerando o conhecimento necessário para os estudos relacionados à Engenharia Espacial.

Dessa maneira, o WETE tem como um de seus objetivos promover a integração entre os discentes e docentes das diferentes Áreas de Concentração do curso, viabilizando uma discussão em torno dos trabalhos, de modo a sugerir melhorias, apresentar outros pontos de vista e desenvolver novas ideias.

 

OBJETIVO

Ampliar a temática das produções cientificas, apontando melhorias e desenvolvendo novas ideias para o desenvolvimento Espacial.

Vamos participar! Mais Informações entre no Site: http://www.inpe.br/wete/2018/

Boa Sorte*

Sensoriamento Remoto na vegetação: orientações da simbologia!

16/05/2018  JY  Geoteccnologias

19-05-2818 blog

Açude São Domingos, próximo do Rio Paraíba – Cariri Paraibano – Caatinga – Semiárido

blog 16-05-18.PNG

Pivôs-centrais – GOIÁS

Oi pessoal,

Estaremos divulgando aqui a importância do que é saber a forma de como através das cores e formas podemos classificar e determinar as mudanças e desenhos da vegetação, dependendo do seu comportamento espacial e fenológico. Temos muito a conversar sobre isso! 

Pois bem, costumamos representar pela cor VERDE a vegetação né isso?!, pois bem nem só o verde é representativo para essa situação. Por quê? Porque ocorrem variações na estrutura, no desenvolvimento da vegetação, bem como categorias para que se faça associações, onde cito aqui como exemplo, as florestas, os arbustos, sendo estes densos ou não densos, ralos, com frutos, sem frutos, perímetro cultivado ou não cultivado, etc.

Pois bem, partindo para o mapeamento, de preferencia mapas temáticos, particularmente, costumo representar essas situações que ocorre na vegetação de várias formas tendo em vista o uso correto de como representá-lo conforme os símbolos que eu escolho. 

Vejamos: 

  1. Evite deixar muito colorido (um arco-íris) em suas formas de representar o tema que você escolheu, a vegetação por exemplo. Um tom verde escuro e verde claro, tracejado, com bolinhas, ou sem, vai depender sempre da situação que ocorre no alvo. Um perímetro irrigado que contenha culturas dos citros por exemplo, use um tom verde de fundo com bolinhas marrons ou verdes, para a cultura do algodão, represente-a com bolinhas brancas ou até verdes.
  2. Vegetação que apresente falhas nas folhas ou doenças, represente-as com um tom branco de fundo e cruzes marrons ou vermelhas; Matas e florestas, abuse do verde intenso, sólido ou opaco. Vegetação da Caatinga, coisa nossa, use fundo verde claro com formas triangulares marrons representando os espinhos, a resistência, a vegetação cinza. 
  3. Não esquecer que a descrição para cada símbolo é importante para cada situação ok?! Digo isso porque quer queira ou não, quem é especialista no assunto, vai questionar você! Outra coisa, traço é traço e polígono é polígono, e por Deus não represente uma situação dessas, de algo acumulativo ou cheio lá no terreno representando estes por linhas, traços, isso não cola.

Até as próximas postagens !